AVISO

É expressamente proibida a cópia ou reprodução em parte ou na totalidade do conteúdo deste blog, sem prévia autorização, estando reservados os direitos de Autor.

sexta-feira, 11 de junho de 2021

Acto de Excelência

 


Um olhar, um sorriso, um toque desejado

Um carinho, um aconchego, sem tempo contado

Um beijo, um abraço, amar despretensioso

Um amparo, uma força, amor luminoso

Dividir as durezas do compromisso assumido

Repartir os frutos do companheirismo adquirido

Aprender com o amor que sofrer é uma etapa

Um super-herói nunca precisa de capa

Dar as mãos é segurar o amor com inteligência

Saber guiá-lo pela vida é um acto de excelência

Pobre de quem não ama de coração puro

Será rico em desapego sem nunca estar seguro

A paixão é o fósforo que acende a lareira

O amor é a lenha que a mantém acesa a noite inteira


terça-feira, 8 de junho de 2021

Avelino Parolo

 


O Avelino já vai a medir a rua

E a falar alto como um tolo

Quando bebe às vezes amua

Mas hoje age como um parolo

 

Os tropeções são aos montes

Mas nada para o Avelino

Quem bebe em muitas fontes

Acaba sempre por perder o tino

 

No caminho cumprimenta a quem o olha

A educação fica apurada com a bebedeira

Quem o conhece perdoa-lhe mais uma molha

O pobre Avelino adora o fruto da videira

 

Dizem que nunca casou porque era muito vadio

Coitada da mulher que o aturasse neste estado

Assim o Avelino amigou-se ao tinto escorregadio

E não podia, diz ele, ter melhor casado


quinta-feira, 3 de junho de 2021

O amor partiu de manhã

 


Hoje de manhã, o amor fez a mala

Chamou um táxi e esperou na sala

Permaneceu em silêncio, sentado na cadeira

Uma mão no colo outra na algibeira

A noite anterior foi difícil e muito dura

Depois do que foi dito, restou apenas a ruptura

Nenhum de nós quis dar uma nova oportunidade

A lembrança dos bons momentos passou da validade

Olhei-o mais uma vez, encostada à porta

Não retribuiu o olhar, já nada lhe importa

Ouviu-se um apito vindo do exterior

O carro tinha chegado para levar o amor

Pegou na mala e saiu sem dizer adeus

Com o desapego dos que se dizem ateus

Quando chegar ao destino e abrir a mala

Vai ficar surpreendido e até sem fala

Escrevi-lhe uma carta, a despedida possível

Agradecendo o que vivemos, que foi inesquecível


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...