AVISO

É expressamente proibida a cópia ou reprodução em parte ou na totalidade do conteúdo deste blog, sem prévia autorização, estando reservados os direitos de Autor.

Para utilização de qualquer poema, é favor contactar a Sociedade Portuguesa de Autores..pt.

A Autora,

Isabel Mendes (Isamar)

quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

FELIZ ANO NOVO!



Mais um ano a terminar
Mais um ciclo que sai de cena
Resta agora ponderar
Se tudo valeu a pena

Para o novo ano que começa
Os desejos são sempre iguais
Saúde, paz e felicidade
Porque o resto são coisas banais

Os planos que traçarmos
Seja a meio ou no início
Nunca se concretizam
Sem um pouco de sacrifício

Que entremos no nosso melhor
Seja por que pé for
Que os desejos se tornem reais
Sempre à pala com o amor.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

NOITE DE NATAL



Nesta noite de Natal
Há presentes pela sala
Há um sonho de criança
Há um riso em cada fala

Os presentes vão-se abrindo
Num sorriso de alegria
Uma esperança em cada gesto
“o presente que eu queria!”

As luzes piscam sem parar
Com a alegria que se vive
O pinheiro está tão lindo
Como também um dia eu estive

Restam papéis pela sala
Dos embrulhos que se abriram
Resta um cheirinho a alegria
Das emoções que se sentiram

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

SERÁ NATAL?



Dizem por aí que é Natal!
Não será antes um puro consumismo
Disfarçado do mais barato eufemismo?
Não se vê nenhuma vontade
Nem de dar a simples liberdade
Quanto mais o necessário
Como um belo breviário!
Pois eu cá p’ra mim não é Natal
Pelo menos daquele que é real
De Amor, de Paz, Compreensão,
De Alegria, Bondade e Devoção.
É apenas o decorar da varanda
E se calhar porque a obrigação manda!
É ter o piscar de luzes mais brejeiro
Que o da vizinha e do bairro inteiro.
Não se ouve tocar dentro de nós
Aquela balada que até nos leva a voz,
Só se sente sair do bolso a carteira
P’ra se colocar mesmo em frente da ceifeira.
Mas continuamos a dizer que é Natal
E que se pode tudo, que não faz mal!
Mais parece que estamos na marquesa
Para a mais comum das operações
É que estas cataratas de certeza
Que nos deixam ceguinhos e charlatãe
s!

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

CÉU AZUL

(imagem retirada de Photobucket)

Perdi-me na imensidão azul
do céu que me rodeia
minha alma decidiu partir
voar bem alto é o que mais anseia

Diz-me céu, porque escolheste o azul
para tua imagem de apresentação?
Confesso que estou curiosa
sobre o motivo de tal decisão

Não tens cheiro nem sabor
tens sim uma visão privilegiada
nada te escapa em redor do mundo
dessa tua janela iluminada.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

NOITE ESCURA

(imagem retirada do photobucket)

Quando o sol se põe sem avisar
E nos deixa no escuro sem querer
Confesso que ainda não sei lidar
Com este andar às cegas p’ra viver

Não há como um dia após o outro
Assim diz a sabedoria popular
Porque mesmo sendo a noite sombria
O sol volta sempre a brilhar

Se o travesseiro é bom conselheiro
Tenho uma reclamação a fazer
Todas as noites lhe peço ajuda
E continuo à espera que me possa atender

Se a noite se veste de escuro
Não dando atenção ao que está na moda
Será que o mais comum dos mortais
Não se contenta com uma só poda?

Apesar do hábito normal
De adormecer e acordar
A minha alma ainda tem receio
Do simples acto de deitar.

ROSA

(imagem retirada do photobucket)
Que bem que cheiras linda rosa
E que honra te ter no meu jardim
Mas não gastes todo o teu perfume
Nem toda a tua beleza em mim

És branca como a neve
E tens cheiro a amanhecer
Tens por vizinhos os cravos,
As camélias e o malmequer

Luz do meu jardim
És a flor que mais adoro
Continua a brilhar assim
É só isso que te imploro.



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...