AVISO

É expressamente proibida a cópia ou reprodução em parte ou na totalidade do conteúdo deste blog, sem prévia autorização, estando reservados os direitos de Autor.

Para utilização de qualquer poema, é favor contactar a Sociedade Portuguesa de Autores..pt.

A Autora,

Isabel Mendes (Isamar)

sábado, 30 de dezembro de 2017

Ainda não é o final

Imagem retirada da internet

Tudo vai ficar bem no final
Acredita na tua destreza
Se ainda continuar mal
Não é o final de certeza

Só porque o teu caminho é diferente
Não quer dizer que estejas perdido
Apenas tomaste outra vertente
Não há mal nenhum em ser decidido

As estrelas não podem brilhar
Se não houver escuridão
A tua vida só pode andar
Se não cederes à contra-mão.

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Diz-me que te faço falta

Imagem retirada da internet

Telefona-me quando a noite for alta
A dizer que não consegues dormir
Justifica que te faço falta
E sem mim não podes descomprimir

Prova que a minha ausência
É pior que a noite gelada
Faço parte da tua existência
Admite, sem mim não és nada

Estares privado de mim
Torna-te disfuncional
Não precisa ser sempre assim
Basta te regeres pelo manual.

terça-feira, 26 de dezembro de 2017

Bateu uma Saudade

(Imagem retirada da internet)

Bateu uma saudade do antigamente
Do tempo a passar vagarosamente
Dos dias que não precisavam correr
Bateu uma saudade do meu velho relógio
Merecia ter levado um necrológio
Quando decidiu parar de bater

Juro que os ponteiros não aceleravam
Nem sequer se atropelavam
Com pressa de chegarem primeiro
Bateu uma saudade da lentidão
Que demorava a chegar o verão
Hoje o tempo virou trambiqueiro

Que emoção aguardar aquela carta
O carteiro vinha de mala farta
Até o envelope era guardado
Falava-se mais com a vizinha
Frente a frente, não pela telinha
Bateu uma saudade de ser antiquado.

domingo, 24 de dezembro de 2017

Todos os dias é Natal

Imagem retirada da internet

É mais que tempo de aprender
Que a Família é sempre especial
Já é mais que tempo de saber
Que todos os dias devia ser Natal

É mais que tempo de dar valor
Ao que é nosso, tradicional
Já é tempo de repartir o amor
Porque todos os dias devia ser Natal

É mais que tempo de saber ouvir
Porque falar demais torna-se banal
Já é tempo de saber dividir
Todos os dias devia ser Natal

É mais que tempo de ajudar o irmão
E deixar de vez o pedestal
Já é mais que tempo de repartir o pão
Porque todos os dias é Natal.

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Não oiço mais nada

Imagem retirada da internet

Arrasto o meu corpo
Que se faz de morto
Até à beira da estrada
Já não sinto frio
Não sei se é vazio
Mas não oiço mais nada

Deixo-me ficar quieta
Esta dor que me espeta
Quer arrancar-me a vida
Pode ser que passe alguém
Que não me olhe com desdém
E perceba que não estou de partida.

sábado, 16 de dezembro de 2017

Amor Felino

A minha gata Didi 

Bolinha de pêlo
Bigode comprido
É engraçado vê-lo
Com o rabo escondido

Acha-se independente
Pensa que é diferente
Dorme de qualquer maneira
Sabe quando ronronar
Quando só deve miar
E adora uma manhã soalheira

Dá mordidelas de amor
Mesmo que causem dor
É assim o ser felino
Ama o seu humano
Mas não pense o fulano
Que manda no pequenino

Para ter um gato de estimação
Não é preciso receituário
Basta ter amor no coração
E um sofá que já não seja necessário.

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Escrevi-te uma carta

Imagem retirada da internet

Decidi escrever-te uma carta
Coloquei no correio na quarta
Deves estar para a receber
Abre o envelope com cautela
É uma lembrança singela
Mas do melhor que posso oferecer

Lê a carta com carinho
Cada frase devagarinho
Não esqueças a pontuação
Dou-te assim de bandeja
Um amor que causa inveja
E faz vibrar o coração

Quando a terminares
Lembra-te de assimilares
Cada palavra que te escrevi
Esta carta levou-me metade
E deixou-me a saudade
De viver cada dia sem ti.

sábado, 9 de dezembro de 2017

Se Deus quiser e permitir

Imagem retirada da internet

Amanhã vou sair bem cedo
Quero ter tempo para reflectir
Vou deixar em casa o medo
Se Deus quiser e o permitir
O trabalho corre sem percalços
É-se maior ao contribuir
Do caminho desvio os falsos
Se Deus quiser e o permitir

Quando regressar a casa
A lareira fará o que eu disser
Da chama nascerá brasa
Se Deus quiser e o permitir
No aconchego do meu leito
A noite nem se faz sentir
A leveza enche-me o peito
Se Deus quiser e o permitir.

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Nossa Senhora da Conceição

Imagem retirada da internet

Nossa Senhora da Conceição

Mãe do Salvador da humanidade
Te oferecemos o nosso coração
Recebe-o como prova de humildade

Protege, guia e zela
O reino que a Ti foi confiado
Ameniza os caminhos mais sinuosos
E cobre com Teu manto o mais desamparado

Virgem Imaculada sem mancha
Teu dia é Festa Universal
Rainha de um povo que te venera
Te louvamos Padroeira de Portugal

Mãe de uma nação que Te pertence,
És a esperança de quem se sente fraquejar.
Senhora de um povo que sabe o que sente,
Quando na fé Tu nos fazes acreditar.

Rainha de olhar sereno,
Rosto pequeno
E manto protector.
Virgem Imaculada,
Padroeira Sagrada
A Tua nação te canta louvor.

Nossa Senhora da Conceição
Contigo caminhamos neste fado
Santa Mãe, Tu és a salvação
Obrigado por sermos o Teu legado. 

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Deixa-te chorar

Imagem retirada da internet

Deixa-te chorar
Sem pressa em parar
Aproveita e lava a tristeza
Deixa o choro invadir
Liberta o que estás a sentir
Viver leve é uma riqueza

Chora sem interrupção
Não importa a razão
Deixa as lágrimas cair
Chorar de vez em quando
Saber isolar-se do bando
Ajuda a evoluir.

sábado, 2 de dezembro de 2017

A vida é como um Limoeiro

Imagem retirada da internet


A vida é como uma nora
Roda e roda sem pausa
Se hoje a gente chora
Amanhã nem lembramos a causa

A vida é como um copo água
Que sacia a quem tem sede
A mais pequena mágoa
Bloqueia-nos como uma parede

A vida é que nem um limoeiro
Persistente como a sua folha
Nem sempre um dia de aguaceiro
Significa ter de apanhar uma molha.


terça-feira, 28 de novembro de 2017

Rasguei a tua camisa

Imagem retirada da internet

Rasguei, mas sem intenção
A camisa de algodão
Que deixaste da última vez
Acho que já não tem conserto
Tentei, mas não acerto
Acredita, não é malvadez

Decidi comprar-te uma nova
Mas vem fazer a prova
Para saber se fica à medida
É tão escassa a tua visita
Sinto-me como uma eremita
A viver numa ermida

Para a próxima tem mais cuidado
Põe cada coisa no seu lado
Para não ficar amarrotado
A roupa é como o amor
Há que tratá-la com primor
Para continuar em bom estado.

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Sou assim

Desenho by Isabel Mendes

Não sigo modas ou mentalidades
Só porque toda a gente o faz
Assumo as minhas desigualdades
E acredito que sou fiel e capaz

Pensar pela cabeça dos outros
É triste e muito deprimente
Não me deixo ir com os loucos
Só os peixes mortos vão com a corrente.

domingo, 19 de novembro de 2017

A Velhice à varanda

Imagem: internet

Sentada numa cadeira de baloiço
A apanhar sol na varanda
Quando passo sempre a oiço
A divagar na mesma propaganda

Os dias já não os conta
Diz que é tempo perdido
A noite já não amedronta
Agora é esperar o merecido

Diz-me que o silêncio a visita
Apesar de não ser convidado
Então faz de mau da fita
E não responde ao perguntado

Assim passa os dias a velhice
Diz que já se habituou à solidão
O que lhe fizeram foi canalhice
Mal eles sabem que por lá passarão.

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Diz que é Charmoso

Imagem: Internet


Sorrisinho manhoso
Ar de dengoso
Cabelo encaracolado
Frases elaboradas
Ratoeiras preparadas
Sempre todo asseado

De rosas na mão
A jogar a paixão
Evitando a batotice
Passeio de charrete
Sabe com quem se mete
Respira aldrabice

Acaba o dia a chorar
Agiu sem pensar
O amor não tem cura
Insiste que é galanteador
Charmoso e sedutor
E leva a paixão à pendura.

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Os Lápis de Cor (Poesia Infantil)

Desenho de Lucília Mendes

Tenho doze lápis de cor
Que me ajudam a desenhar
Têm cores muito bonitas
Que são óptimas para pintar

Passo o dia a fazer desenhos
E pinturas originais
Com estes lápis já sou um artista
A fazer obras especiais.

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Se ganharmos a guerra



É impossível ganhar todas as batalhas
Porque ser humano é conhecer a derrota
Continuar a lutar, sem admitir as falhas
Além de burrice, é fazer-se de idiota

A luta é mais desafiante
Quando o inimigo é persistente
E por vezes torna-se viciante
Pôr à prova o mais competente

Quando a guerra estiver ganha
A bajulação fica em banho-maria
Há que contar com a artimanha
Daqueles que vivem da bestaria.

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Só preciso de ti



No dia que amanhece gelado
E de semblante carregado
Sinto falta do teu conforto
No comboio que decidiu atrasar
E nem se dignou a avisar
Sinto falta do teu jeito absorto

Hoje não fiz pausa para almoço
Ninguém fez nenhum alvoroço
Preciso da tua companhia
Atrasei-me para o jantar
Não é que fosse alguém lá estar
Preciso que afastes a melancolia

Sabes que choveu a potes
Parecia que nem mil chicotes
A açoitar quem tristemente passava
Sabes que nem senti nada
Muito menos que estava molhada
Era só de ti que eu precisava.

sábado, 28 de outubro de 2017

Quero ser o Mar


Imagem: Internet

Quero ser como o mar
De ondas a bailar
E segredos submersos
Quero perder-me na imensidão
Sem o porquê ou a razão
Inspirar-me nos meus versos

Quero ter a força do mar
Poder ir e voltar
Sem ter hora marcada
Quero beber o desconhecido
Encontrar o tesouro perdido
Viver sem nenhuma alçada

Quero o mar como companheiro
Ir sem rumo num veleiro
E adormecer sob as estrelas
Quero ser do profundo azul
Conhecer o verão de Istambul
E esquecer as querelas.

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

A Estrela (Poesia Infantil)

Desenho de Lucília Mendes

Estava uma noite muito amena
Cheia de estrelas a brilhar
Mas havia uma que era mais bonita
Para a qual não conseguia deixar de olhar

Era grande e amarela
E estava mesmo lá no alto
Queria tanto tocar-lhe
Que sem querer até dei um salto

Resolvi ir dormir
E deixar a estrela a trabalhar
Porque o que ela gosta de fazer
É o céu iluminar.

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Ouvia-a falar

Imagem: internet

Foi a meio do caminho
Que a ouvi falar
Apesar de ser baixinho
Percebi que se estava a queixar

Pensei em parar para perceber
O porquê de tal lamento
Mas decidi não me envolver
Em histórias sem fundamento

Uns metros mais à frente
Alguém parecia me seguir
E como quem luta contra a corrente
Não me deixei distrair

Quando cheguei ao destino
Ela fingiu que estava perdida
A inveja é como um clandestino
Sempre a viver escondida.

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

A minha Oração da manhã

Imagem: internet

Obrigado por mais um acordar
Obrigado pela noite segura
Sei que posso recomeçar
Graças à Tua ternura

Sei que foste o guardião
Que vigiou o meu sono
Contigo não receei a escuridão
Nem me senti ao abandono

Graças pela protecção nocturna
E pelo amanhecer saudável
Graças por me livrares da cafurna
Obrigado pelo teu amor infindável.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...