AVISO

É expressamente proibida a cópia ou reprodução em parte ou na totalidade do conteúdo deste blog, sem prévia autorização, estando reservados os direitos de Autor.

Para utilização de qualquer poema, é favor contactar a Sociedade Portuguesa de Autores..pt.

A Autora,

Isabel Mendes (Isamar)

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

OUVI DIZER QUE O AMOR...



Ouvi dizer que o amor é doce
De um doce que faz arrepiar
Acredito que se assim não fosse
Não havia maneira de alguém o provar

Ouvi dizer que o amor é amargo
De um amargo que faz desfalecer
Porque amar sem nunca ser amado
É mais amargo que o fel pode ser


Ouvi dizer que o amor é salgado
Pelas lágrimas que faz cair
Amar e ser amado
É viver pelo outro, é co-existir


Ouvi dizer que o amor é frio
De um frio que gela o coração
O amor causa tamanho arrepio
Que o inverno parece ser a única estação


Ouvi dizer que o amor é quente
De um quente em estado febril
Quem ama também mente
Nem que seja uma mentira em mil


Ouvi dizer que o amor está em extinção
Porque já ninguém morre desta doença
Precisam-se de amores de perdição
Para o amor voltar a ser uma crença.

1 comentário: