AVISO

É expressamente proibida a cópia ou reprodução em parte ou na totalidade do conteúdo deste blog, sem prévia autorização, estando reservados os direitos de Autor.

Para utilização de qualquer poema, é favor contactar a Sociedade Portuguesa de Autores, através do email: atendimento@spautores.ptatendimento@spautores.pt.

A Autora,

Isabel Mendes (Isamar)

quinta-feira, 5 de julho de 2012

NO FUNDO DO QUINTAL




Oiço a água a correr
Ao fundo do meu quintal
Quem me dera poder beber
Aquela paz, meu bem essencial

Consigo ver com claridade
As pedras que habitam no fundo do rio
Límpidas e frescas, que serenidade
Sempre de bem com o senhorio

Sentada no banco de madeira
Outrora tronco de uma árvore qualquer
Meus pensamentos não encontram maneira
De saber como me tornei nesta mulher

O vento começou agora a soprar
E as folhas começam-se a fazer ouvir
É altura de dar espaço a quem quer falar
E deixar assim o tempo fugir.

Sem comentários:

Enviar um comentário