AVISO

É expressamente proibida a cópia ou reprodução em parte ou na totalidade do conteúdo deste blog, sem prévia autorização, estando reservados os direitos de Autor.

Para utilização de qualquer poema, é favor contactar a Sociedade Portuguesa de Autores..pt.

A Autora,

Isabel Mendes (Isamar)

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

A ESCALADA (repost)

(imagem retirada da internet)

Propus-me a escalar a minha vida,
Mochila às costas, decidida!
No começo, o medo quis-me acompanhar,
Mas não levo penduras p’ra nenhum lugar.
A primeira subida foi mais complicada,
Mas tomando-lhe o jeito, é melhor que a estrada.
O cansaço apareceu e fiz uma pequena paragem.
Precisava respirar fundo e ganhar mais coragem.
Continuei a subir e olhei em volta
Não fosse alguma pedra estar solta.
Eu lá ia subindo sem reclamar
Mesmo estando farta de tanto andar.
Mas eu é que quis me dar a este trabalho,
Afinal de contas, quero saber quanto valho!
Ouvi umas vozes, vindas do nada
A deitar-me a baixo, a darem-me por derrotada.
Foi então que reconheci essa gentalha,
Almas vazias, que se inundam em tralha.
E ainda com mais vontade e determinação
Segui pelo caminho onde me leva o coração.
A certa altura questionei o meu itinerário...
Se não estaria a ver o mapa ao contrário?
É que não havia meio de ver a chegada,
E já ia tão longe a minha escalada!
De repente, do céu que me cobria,
Alguém me falou e assim dizia:
“Não queiras percorrer de debandada
Uma vida que ainda não está acabada.
Descansa, aproveita e dá valor
Ao que até agora te dei com tanto amor.”
Poisei a mochila e fiquei assim,
Em agradecimento de quem vive para mim.
A escalada não ficou completa,
Porque, na verdade, não havia meta.

Sem comentários:

Enviar um comentário