AVISO

É expressamente proibida a cópia ou reprodução em parte ou na totalidade do conteúdo deste blog, sem prévia autorização, estando reservados os direitos de Autor.

quarta-feira, 11 de março de 2020

O Senhor Américo da casa pequena


O senhor Américo que mora na casa pequena
Já chegou aos “entas” de uma vida plena
Acorda cedo para ir comprar o pão
Vive de uma reforma de pouco tostão
A sua esposa há muito que partiu
Os filhos assumem que ninguém os pariu
Depois de enviuvar adoptou um canito
Um rafeiro castanho, minorca e bonito
Lá passam os dois, sempre lado a lado
A fidelidade é um bem a ser preservado
Conversa com o rafeiro, de nome Bobby
É o fiel amigo que está sempre ali
Quando à tarde o sol bate na soleira da porta
É ver os dois sentados, nada mais importa
Nos, poucos, vizinhos encontra amparo
A velhice é tramada e custa caro
Tem sempre um sorriso e uma saudação
Por muito que lhe custe levantar a mão
O Senhor Américo da casa pequena
Do muito que viu, já nada condena
Ainda tem saudades da vida de casado
A sua Clarice fazia-lhe um bem danado
Agora espera, com paciência a sobrar
O dia em que este mundo vai deixar
Só pediu aos vizinhos o grande favor
De cuidarem do seu Bobby com amor

16 comentários:

  1. Olá:- Em muitas zonas mais isoladas do Alentejo ainda existem muitas pessoas a viverem assim num isolamento (quase ) total.
    Por vezes têm a companhia de um ou dois cães e de um ou dois gatos. Áh e também de duas ou três galinhas e um galo.
    E, pouco, muito pouco mais.

    Gostei muito do poema que aflora, e muito bem, essa situação do isolamento de certas pessoas
    .
    Cumprimentos poéticos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade Ricardo, infelizmente ainda há muito isolamento sénior.
      Obrigada, beijinhos

      Eliminar
  2. E há milhares de Américos e Américas, a quem apenas um animal quebra a solidão.
    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Um espetacular poema,
    foi muito bem imaginado
    ao senhor Américo dedicado
    que mora naquela casa pequena.

    Tenha uma boa noite amiga Isamar. Beijinhos virtuais não contagiam.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Edumanes.
      Beijinhos e abraços virtuais não contagiam :)

      Eliminar
  4. Fantástico poema muito irónico também!:))

    -
    Beijos. Boa noite!

    ResponderEliminar
  5. O tema não é para rir, mas o verso 'os filhos assumem que ninguém os pariu', fez-me rir. Já os últimos versos emocionaram-me...
    O Sr Américo não está muito mal, é independente, tem o seu fiel amigo, vive num lugar despoluído onde os vizinhos se conhecem...
    Um pequeno conto que resultou muito bem poetizado.
    Parabéns, Isabel.
    Tudo pelo melhor.
    Beijinhos
    ~~~~~

    ResponderEliminar
  6. Uma história poeticamente bem contada.
    Gosto da tua poesia, é diferente da que se vê habitualmente.
    Querida amiga Isabel, continuação de boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada Querido Jaime pelas suas simpáticas palavras.
      Beijinhos

      Eliminar
  7. Um conto em quadras… com arte e cadência e em particular, um estilo muito seu, com as "verdades" nele contidas, com a realidade dura e crua…

    Beijinho

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...