AVISO

É expressamente proibida a cópia ou reprodução em parte ou na totalidade do conteúdo deste blog, sem prévia autorização, estando reservados os direitos de Autor.

Para utilização de qualquer poema, é favor contactar a Sociedade Portuguesa de Autores, através do email: atendimento@spautores.ptatendimento@spautores.pt.

A Autora,

Isabel Mendes (Isamar)

terça-feira, 11 de agosto de 2009

VIZINHAS


Vou a descer a rua
Com um ar de tanto faz
E é ver as vizinhas
Todas a olhar para trás

E vem o disse que disse
E o conta aqui, diz acolá
Descer esta rua é uma aventura
Até para o próprio Alá

É vê-las à espreita à janela
Com a porta entreaberta
Tudo o que sai cá para fora
É mexerico na certa

Vizinhas da rua de cima
Da de baixo e da do lado
Vizinhas, venha a vós a mentira
Como os cafés no Chiado

Vou a subir a rua
Com ar de não quero saber
Vizinhas falem à vontade
Porque o que é bom é para se ver

1 comentário:

  1. Olá, este poema está muito engraçado :)
    Quantos de nós não temos assim vizinhas...

    Beijinhos e continuem

    Inês

    ResponderEliminar