AVISO

É expressamente proibida a cópia ou reprodução em parte ou na totalidade do conteúdo deste blog, sem prévia autorização, estando reservados os direitos de Autor.

terça-feira, 21 de janeiro de 2020

Autor de Estante


Como um fósforo que arde depressa
Assim se resume o meu dia
Por muito que esteja cheia a travessa
A minha alma continua sempre vazia

A tinta da caneta está a chegar ao fim
E ainda não escrevi tudo sobre mim
As folhas do caderno parecem intermináveis
E as ideias decidiram tornar-se dispensáveis

A música que está a tocar na rádio
Lembra-me palavras de um sábio
Deixo a melodia ganhar terreno
E o meu cubículo tornou-se mais sereno

A lua está de quarto minguante
Parece que de tudo me afasto
Um dia chegarei a autor de estante
E o meu livro, de tanto ser lido, ficará gasto

10 comentários:

  1. Tenho a certeza que terá o seu lugar na estante.
    Gostei muito Isamar.
    Dias agradáveis, harmoniosos e inspirados.
    Beijinhos
    ~~~~~

    ResponderEliminar
  2. Olá, Isa!

    Poesia sempre rimada e mto bem pensada.
    Esperemos todos que os seus livros (não sei quantos tem publicados) fiquem "velhos e gastos" de tanto serem lidos. É bom sinal.

    Já escreveu poesia sem rima? Novas experiências são de tentar.

    Beijos e boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Céu, nunca publiquei nenhum livro.
      Poesia sem rima, ainda não, mas quem sabe não me aventuro.
      Obrigada, beijinhos!

      Eliminar
  3. Gostei de ler. Que o seu sonho se torne realidade.
    Abraço

    ResponderEliminar
  4. A passar por cá para conhecer mais um bonito poema!
    Isabel Sá  
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...