AVISO

É expressamente proibida a cópia ou reprodução em parte ou na totalidade do conteúdo deste blog, sem prévia autorização, estando reservados os direitos de Autor.

Para utilização de qualquer poema, é favor contactar a Sociedade Portuguesa de Autores..pt.

A Autora,

Isabel Mendes (Isamar)

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

LEMBRO-ME (A ESCOLA)



Lembro-me do primeiro dia de escola
Do medo da emancipação
Lembro-me da cor da minha sacola,
Do lápis, da borracha, do bater do coração.

Lembro-me de me sentir grande
Naquele tão pequeno começo de vida
Lembro-me de achar tão longo o caminho
Mas de o fazer altiva, decidida!

Lembro-me do cheiro da minha carteira,
do barulho do choro das outras crianças
Lembro-me da cor da lapiseira
Com que comecei a escrever a esperança.

Lembro-me da campainha que tocava,
pela emoção ao acabar mais um dia
Lembro-me de como depressa passava
O recreio onde brincava e tudo podia.

Lembro-me de me lembrar como seria
Lembrar-me daquele passado tão inocente
Lembro-me de pensar se estaria
Triste, com saudades ou diferente.

Lembro-me do último dia de escola
Das saudades que ainda não tinham chegado
Lembro-me do cheiro da minha sacola
Ao deixar para trás um pouco do meu passado.

3 comentários:

  1. Pelo menos para mim, isto é a descrição poética mais interessante que por já vi por cá.
    Os meus parabéns.

    JM Ferreira

    ResponderEliminar
  2. Vou repetir:
    Pelo menos para mim, isto é a descrição porética mais interessante que já vi por cá.
    Os meus parabéns.

    JM Ferreira

    Nota: Há um «por» a mais... coisas de teclados e de não reler...

    ResponderEliminar
  3. E o tipo é tanso.
    Volta a dar erro, em «poética»
    Valha-nos a Senhora da Agrela... que não há santa como ela...

    JM Ferreira

    ResponderEliminar