AVISO

É expressamente proibida a cópia ou reprodução em parte ou na totalidade do conteúdo deste blog, sem prévia autorização, estando reservados os direitos de Autor.

Para utilização de qualquer poema, é favor contactar a Sociedade Portuguesa de Autores, através do email: atendimento@spautores.ptatendimento@spautores.pt.

A Autora,

Isabel Mendes (Isamar)

terça-feira, 2 de setembro de 2008

A SORTE SOU EU

Nos segredos do silêncio
Guardei a minha sorte
O meu desejo
Minha vontade
Pois não conheço melhor forte
P’ra guardar a felicidade

Percebi no teu sorriso
Que o olhar não se padece
Quando na voz é preciso
Suplicar com uma prece

Quando me chamas amor
Não tens alma
Garra nem loucura
Imitas as frases banais
Que trazem o amor de pendura

Descobri que a sorte sou eu
Com conquistas, derrotas
Amores e desamores
Sou um pacote completo
De alma sã
E muitas dores

Quando olhares para trás
P´ra procurar mais um abrigo
Meus olhos não vais encontrar
Porque já não preciso
De viver sob um comando
Que de vez em quando
Prefere fazer sofrer
Alguém que por insegurança
Fazia desse amor vazio
A sua razão de viver.

Sem comentários:

Enviar um comentário