AVISO

É expressamente proibida a cópia ou reprodução em parte ou na totalidade do conteúdo deste blog, sem prévia autorização, estando reservados os direitos de Autor.

Para utilização de qualquer poema, é favor contactar a Sociedade Portuguesa de Autores, através do email: atendimento@spautores.ptatendimento@spautores.pt.

A Autora,

Isabel Mendes (Isamar)

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

SUSSURROS

Oiço sussurros de alguém
Nas paredes da amargura
Quero falar-lhe mas não sei
Parece que algo me segura

Oiço sussurros de dor
Gemidos que fazem estremecer
Palavras sem nexo e um choro ainda maior
Evocam o nome de Deus sem saber

Oiço sussurros de aflição
Vindos de um céu estilhaçado
Perco o sentido e a noção
Vejo-me num mundo fechado

Oiço sussurros perdidos
Que vagueiam pela madrugada
Quero guiá-los no caminho
Mas confesso, estou estafada

Oiço sussurros que magoam
E ferem sem dó nem piedade
Não consigo fazê-los parar
Hão-de levar-me à insanidade

Oiço sussurros que sussurram
E me dizem que os conheço bem
Pois quem provoca tal barulho
É minha alma que não sabe o que tem

Sem comentários:

Enviar um comentário