AVISO

É expressamente proibida a cópia ou reprodução em parte ou na totalidade do conteúdo deste blog, sem prévia autorização, estando reservados os direitos de Autor.

Para utilização de qualquer poema, é favor contactar a Sociedade Portuguesa de Autores, através do email: atendimento@spautores.ptatendimento@spautores.pt.

A Autora,

Isabel Mendes (Isamar)

quinta-feira, 29 de maio de 2008

DESABAFO

Na penumbra do silêncio
Oiço teu jeito mordaz
E nas entranhas que sinto cá dentro
Não oiço nada, tanto faz.

Triste sina esta a que me dou
Sem lutar, gemer ou negar
Insisto em não saber quem sou
Por ter medo de já me saber cuidar.

Resigno-me com as desventuras
De quem não luta por ter perdido
Pois uma batalha só está ganha
Quando a guerra deixa de fazer sentido.

Precários, hipócritas e hostis
Aqueles que se deixam ser levados
Pensam que ao viverem tão subtis
A vida não lhes tem os açaimes preparados.

Raiva! Sinto raiva de quem crê
Que no futuro está o melhor que existe
Não sabem que o passado que ninguém vê
Está sempre na origem, é o que persiste.

Sem comentários:

Enviar um comentário